A loja no final da rua

Sempre utilizo o exemplo de uma loja nova, montada em uma bela sala comercial, mas localizada no final de uma rua sem saída. Tudo pode estar muito bonito, tudo perfeito, ótimos atendentes, amplo estacionamento, produtos cobiçados pelo público, preços arrasadores, mas isso tudo não seria capaz de promover uma única venda. Por que? Simples! Onde estão os clientes? Eles não sabem que a loja existe e por isso nunca entrarão na sua loja! Provavelmente você resolveria o problema rapidamente com cartazes ou placas ao longo da via principal, anúncios nos mais diversos veículos de comunicação, enfim, tudo o que fosse necessário para trazer as pessoas para dentro do estabelecimento comercial. O comércio eletrônico funciona da mesma forma, mas por se tratar de um ambiente virtual, muitas pessoas acreditam que os clientes chegarão por conta própria, milagrosamente, e isso é um lamentável engano.

A primeira coisa a verificar em uma loja virtual que não vende ou vende pouco é seu tráfego, ou seja, a quantidade de pessoas que a visitam diariamente ou mensalmente na Internet.

Quando você lança um site, ninguém sabe que ele existe, e continuará assim até que você faça a devida divulgação. Não há como alguém encontrar sua loja, nem saber o que ela vende sem que seja feita alguma propaganda, da mesma forma que uma nova loja física instalada no final de uma rua sem saída estará sempre vazia, se não for feita alguma ação de marketing.

Conteúdo retirado do livro: Vender na Internet: Segredos para vender muito!

Read More

Mercado Livre lança ERP grátis para seus vendedores

Essa ferramenta foi totalmente pensada para atender as necessidades dos vendedores do Mercado Livre, visando agilizar todo o processo de gestão do negócio, desde o cadastro dos produtos até a gestão financeira.

Benefícios que refletem na agilidade da sua operação

Controle do estoque unificado

Baixe seu estoque automaticamente no faturamento e pause anúncios sem estoque disponível.

Facilidade na gestão de anúncio

Importe seus anúncios do Mercado Livre e transforme em cadastros de produtos com apenas um clique.

Agilidade no fluxo de vendas

Importe seus anúncios do Mercado Livre e transforme em cadastros de produtos com apenas um clique.

Saiba quais são as funcionalidades disponíveis

CATÁLOGO DE PRODUTOS

Controle dos produtos de forma fácil e centralizada, com fotos, categorias e variações (SKU).

NOTAS FISCAIS

Emissão de notas fiscais e impressão de DANFE para controlar os envios em diversas transportadoras.

GESTÃO DE CLIENTES

Seus clientes são cadastrados automaticamente quando você recebe os pedidos.

GESTÃO FINANCEIRA

Suas contas a receber e contas a pagar controladas em um fluxo de caixa com relatórios de acompanhamento.

Acesse o site oficial e conheça mais sobre o sistema: http://mercadobackoffice.com.br

Read More

As vantagens de usar vídeos no seu e-commerce

Em 2018, 69% de todo o tráfego da internet deve envolver acesso e compartilhamento de vídeos. Tal número deixa claro a importância dessa linguagem no mundo virtual e o seu grande potencial de investimento.

Além do poder exercido pelos vídeos na internet, existe outro motivo para investir nesse tipo comunicação. Uma pesquisa apontou que 51% das pessoas se sentem mais confiantes em comprar depois de verem vídeos nos sites das lojas ou dos fabricantes.

O estudo também mostrou que 52% dos usuários se sentem mais seguros para adquirir um produto depois de assistirem vídeos sobre o item que desejam e ficam mais propensos a voltar a comprar na loja.

Contudo, converter o visitante não é uma tarefa fácil. No Brasil, a taxa média de usuários que compram um produto após acessar o site da loja é de apenas 1,65%. No entanto, utilizar vídeos na sua loja virtual é uma boa estratégia para fazer com que seu potencial cliente tome a decisão de realizar a compra. Conheça algumas vantagens de usar vídeos no seu e-commerce:

Conteúdo atrativo

Os mecanismos de busca estão mais atentos aos vídeos, devido ao poder de atrair os usuários. Com isso, ao aplicar estratégias de SEO, o site é melhor ranqueado nas páginas de busca e isso aumenta o número de visitantes.

Permanência no site

Ao assistir um vídeo, o usuário passa mais tempo em um página. Dessa forma, ele aumenta a permanência no site e busca outras assuntos que o interessa, passando mais tempo em contato com a marca.

Aumenta o engajamento

Muitas pessoas começam a ver um vídeo antes mesmo de ler o que está escrito. Por isso, o vídeo mantém seus visitantes mais engajados e transmite a informação mesmo para os mais ansiosos e impacientes.

Mais informação

Os vídeos são capazes de passar mais informações em menos tempo, o que dá a possibilidade do visitante explorar outros conteúdos do interesse dele.   Além disso, a produção audiovisual é dinâmica e pouco monótona, mantendo por mais tempo o usuário entretido e envolvido com o conteúdo do vídeo.

Mas como colocar vídeos em uma loja virtual?

Em um e-commerce, o ideal é criar um canal da empresa no Youtube, postar os vídeos lá e linkar para o loja virtual da empresa. Dessa maneira, você concentra todo o conteúdo audiovisual em um único lugar, aumenta a divulgação do canal, cria material para as redes sociais e gera mais visualizações para os vídeos.

Existem plataformas nas quais é permitido fazer isso de forma simplificada. Uma delas é a Magento, nela é possível colocar o link do vídeo no youtube e o usuário poderá dar o play diretamente na página da loja, essa ação conta como visualização no Youtube, impulsionando o crescimento do canal.

Então, o que está esperando para usar vídeos no seu e-commerce? Comece já!

Fonte: João Paulo Arraes via www.ecommercebrasil.com.br

Read More

92% dos que visitam um e-commerce pela primeira vez não compram

Quando 92% dos consumidores visitam um site de e-commerce pela primeira vez, eles o fazem por razões diversas e não necessariamente para efetuar uma compra, de acordo com um estudo da Episerver.

45% dos primeiros visitantes que chegam a um site de e-commerce estão procurando por produtos ou serviços, de acordo com o relatório “Reimagining Commerce“. Outros 25% estão comparando preços ou outras variáveis e um entre dez consumidores estão procurando por detalhes da loja.

Um terço dos consumidores que visitam um site de uma marca ou aplicativo mobile raramente ou nunca completam o checkout, mesmo quando a intenção original deles era fazer uma compra. Além disso, 98% dos consumidores são dissuadidos de completarem uma compra por conta de algum conteúdo incompleto ou incorreto nos sites de e-commerce.

“O conteúdo que os consumidores veem e as experiências que eles têm enquanto interagem com o e-commerce são cruciais para definir seus comportamentos de compra”, disse James Norwood, o Chief Marketing Officer e VP de Estratégias da Episerver. “Uma vez que nem todos os consumidores visitam um site de e-commerce para fazer uma compra lá, marcas devem considerar como a experiência de seus sites – da navegação até o checkout – sustenta o engajamento”.

O relatório também destacou a importância do crescimento das compras online. Dois terços dos entrevistados disseram que eles planejam fazer mais compras online em 2017 do que fizeram em 2016. E 91% da maioria dos consumidores mais frequentes planejam comprar mais em 2017.

“O que os consumidores veem nos sites de e-commerce ou aplicativos mobile e como isso é entregue a eles, pode ajudar ou atrapalhar na hora da decisão final da compra”, disse Ed Kennedy, Senior Director de comércio da Episerver.

“Os consumidores esperam que o conteúdo mostrado a eles seja relevante, preciso e, crescentemente, customizado para suas preferências e localização. Para competir em 2017, conteúdo robusto não será mais negociável”.

Fonte: Fierce Retail

Read More

Consumidor está mais confiante em comprar pela Internet, aponta ABComm/TrustedCompany

Índice que mede a satisfação do e-consumidor aumentou em 8%

Os consumidores brasileiros estão mais confiantes em comprar pela Internet. Segundo o Índice de Confiança do E-Consumidor, medido pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) em parceria com a plataforma de avaliações de e-commerce Trusted Company, o ano de 2016 fechou com aumento de 8% em relação ao ano anterior.

No primeiro semestre de 2016, o índice de confiança registrou média de 4,48 pontos, com base em mais de 45 mil avaliações. Já no final do ano, foi registrado um aumento de 72% no volume de avaliações dos e-consumidores sobre mais de 550 lojas virtuais de todo o País, indicando a média de 4,54 pontos. O indicador mostra a satisfação e a confiança dos consumidores com o nível de serviço, atendimento e experiência de compra oferecido pelas lojas virtuais, podendo variar entre 1 e 5 pontos.

O crescimento de 8% de um ano para o outro, caracteriza a mudança do nível ‘bom a muito bom’ para ‘muito bom a excelente’. “Queremos tornar o mercado online cada vez mais confiável e transparente. Através do marketing de recomendação, oferecemos aos consumidores online informações importantes para serem consultadas durante sua trajetória de compra; podendo até influenciar sua decisão de compra”, comenta Barbara Bayer, gerente de Marketing da TrustedCompany. “De fato, 56% dos brasileiros afirmam já serem influenciados por avaliações, comentários e feedbacks durante sua jornada de compra online. (PwC – Total Retail Survey 2016)”, complementa.

Para Mauricio Salvador, presidente da ABComm, o aumento no índice mostra que o consumidor brasileiro está mais maduro e aprendeu a escolher melhor as lojas virtuais que trabalham corretamente. “As lojas virtuais mantiveram a excelência em seus serviços mesmo em datas sazonais como Black Friday e Natal”, diz Salvador.

Sobre o Índice de Confiança do e-Consumidor
Por meio de uma parceria realizada pela ABComm com a TrustedCompany, o indicador é calculado com base nas avaliações de clientes reais das lojas virtuais. O Índice de Confiança do E-Consumidor demonstra a variação na credibilidade do consumidor mês a mês. O índice visa à reforçar valores comuns, como credibilidade, confiança e transparência. Ambas promovem o desenvolvimento do mercado de e-commerce, defendendo os interesses da economia digital e fomentando as melhores práticas.

Sobre a ABComm
A Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) surgiu para fomentar o setor de e-commerce com informações relevantes, além de contribuir com seu crescimento no país. A Associação reúne representantes de lojas virtuais e prestadores de serviços nas áreas de tecnologia da informação, mídia e meios de pagamento, atuando frente às instituições governamentais, em prol da evolução do setor. A entidade sem fins lucrativos é presidida por Mauricio Salvador e conta com diretorias específicas criadas para fomentar todo o setor, entre elas: Novos Negócios; Relações Governamentais; Mídias Digitais; Relações Internacionais; Meios de Pagamento; Capacitação; Desenvolvimento Tecnológico; Empreendedorismo e Startups; Jurídica; Métricas e Inteligência de Mercado; Crimes Eletrônicos; e Marketing. Para mais informações, acesse: www.abcomm.org
Informações à imprensa:
NB Press Comunicação
Contato: Natalia Lippo/Renata Pereira
Tel: 11 3254-6464
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.; Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.;

Sobre a TrustedCompany
TrustedCompany é uma plataforma de avaliações que objetiva mudar o ecossistema de e-commerce no Sudeste da Ásia, Brasil e Índia. Desde 2013, TrustedCompany tem ajudado os compradores online a tomar decisões melhores ao comprar na internet, assim como oferecendo às lojas virtuais ferramentas que aumentam suas vendas através de avaliações dos clientes - uma situação vantajosa para ambas as partes. Atualmente, a TrustedCompany atende os países do sudeste da Ásia, Brasil e Índia, com escritórios em Kuala Lumpur (HQ)e São Paulo. Alguns clientes no Brasil são Vaio, elo7, Oppa, Le Postiche, Sepha, E-lens, Quantum, Bebê Boutique, Louie, Madeira Madeira.

Fonte: www.segs.com.br

Read More

Aumente as vendas do seu e-commerce com Pontos de Retirada

Oferecer ao cliente a opção de retirar seu produto em um comércio local é uma maneira eficiente de integrar sua loja on-line com lojas físicas, mesmo que sua empresa não possua uma.

Esse sistema permite que o produto comprado através da internet fique à disposição em lojas locais, chamadas Pontos de Retirada. Isso aumenta a possibilidade de escolha de entrega do produto ao cliente, que poderá optar por buscar pessoalmente a mercadora adquirida em sua loja virtual.

É um sistema que pode apresentar inúmeras vantagens, seja para a empresa que oferece esse serviço, para o consumidor final e até mesmo para o comércio local que serve como Ponto de Retirada.

Diminui o custo de transporte para seu cliente
Durante a experiência de compra on-line muitos consumidores acabam desistindo no processo final, devido ao elevado custo com o transporte da mercadoria. É importante para uma empresa de e-commerce encontrar formas eficientes de reduzir esse custo final ao cliente, sem influenciar no seu lucro, para conseguir alavancar nas vendas.

Em geral, o sistema de logística no Brasil é defasado, mas o sistema de Pontos de Retirada traz um conceito onde essa redução de custo se torna totalmente possível. Através de entregas centradas em um único endereço, o custo com transporte é reduzindo entre 30% a 50% para o consumidor final.

Isso é garantia de satisfação para o cliente e para você, que não verá mais carrinhos sendo abandonados no momento final da compra.

Garante uma entrega satisfatória para seu cliente
A grande vantagem apresentada por consumidores on-line é a praticidade e comodidade de realizar suas compras através da internet. Isso significa que, na grande maioria, esses consumidores são pessoas ocupadas, com uma vida ativa e que realizam suas compras durante uma pausa no trabalho ou no momento de descanso em casa.

Receber o produto em casa parece uma alternativa viável para esse perfil de consumidor, mas na prática não ocorre dessa forma.

Os atuais sistemas de logística de distribuição exigem que, no momento da entrega, o cliente esteja em casa, a fim de receber a mercadoria. Mas essas entregas ocorrem quase sempre em horário comercial, sem uma hora exata definida, tornando inviável a presença do consumidor no momento da entrega.

Esse é um dos maiores problemas com e-commerce e batem recordes de reclamações no Procon. O cliente coloca a culpa de todo e qualquer problema na logística de distribuição na sua empresa, não diferenciando a empresa responsável pelo transporte da empresa da qual ele efetuou a compra do produto.

Isso pode trazer uma imagem muito negativa para a empresa e, caso o comprador decida publicar sua opinião em mídias sociais, o alcance desse desastre pode se tornar ainda maior.

Disponibilizar ao seu cliente, através do sistema de Pontos de Retiradas, a alternativa de retirada do seu produto em pontos distribuídos na cidade, poderá fazer toda a diferença na garantia de uma entrega satisfatória.

A possibilidade de escolha de retirada em vários pontos estrategicamente distribuídos, garantem que seu cliente possa receber o produto de maneira prática, eficiente e sem atrasos, sem que seja necessário desviar de seu caminho usual.

E isso gera um marketing positivo e gratuito para sua empresa, porque da mesma forma que clientes insatisfeitos compartilham suas opiniões em mídias sociais, clientes satisfeitos tendem a ter a mesma atitude.

Transmite segurança para seu cliente efetuar a compra on-line
Para algumas pessoas, a compra através da internet ainda é uma questão que gera desconfiança. Ao permitir que seu cliente retire o produto em um comércio local que ele está familiarizado, você aumenta, indiretamente, a sensação de confiança desse consumidor, que se sentirá mais seguro para realizar a compra.

Outro grande diferencial é a possibilidade de devolver o produto no mesmo local de retirada, caso este venha a ter algum defeito ou não apresente as características esperadas.

O processo de troca das compras on-line, costumam ser outro ponto que acarreta uma visão muito negativa da empresa para o consumidor, que por vezes se vê obrigado a encarrar filas enormes e gastar altos valores para devolver um produto que não o agradou.

Receber um produto diferente do esperado já causa uma sensação de mal-estar. A forma que você lida com isso fará toda a diferença para seu cliente passe por essa experiência de forma menos negativa possível.

Ajuda a atrair consumidores para o comércio local
Além do e-commerce e do consumidor final, o comércio local que serve de Ponto de Retirada também pode se beneficiar com esse serviço, através do aumento do fluxo de pessoas no estabelecimento. Com isso, alguém que inicialmente pretendia apenas retirar um produto já adquirido, pode se tornar um cliente em potencial.

O funil de vendas, conhecido pela maioria dos gestores de negócios, é associado ao conceito de AIDA e defende que, antes de efetivar uma compra, o consumidor passa por quatro processos: Atenção, Intenção, Desejo e Ação.

Talvez a parte mais difícil, principalmente por exigir estratégias com alto custo financeiro, seja atrair a atenção do cliente em potencial, para que, dessa forma, o comércio tenha a oportunidade de apresentar seus produtos para posteriormente dar sequência as demais partes do processo.

Tornar-se um parceiro garante que uma quantidade maior de pessoas tenham contato com o produto do comércio local, facilitando que a primeira etapa do funil de vendas seja efetivada com maior sucesso e sem qualquer custo.

É um sistema que apresenta benefícios para todos os envolvidos, visto que, ao mesmo tempo que o comércio local é capaz de alavancar as vendas do e-commerce, o e-commerce consegue levar mais clientes ao comércio local.

O sistema de Pontos de Retirada é muito utilizado por toda a Europa e Estados Unidos, sendo uma das formas de entrega preferidas por quase metade dos consumidores. E no Brasil começa a ser utilizado pela startup Pegaki.

Fonte: www.administradores.com.br

Read More

Como criar urgência e atrair mais clientes para o seu e-commerce

Não é segredo para ninguém que oferecer promoções no estilo “Black Friday” pode aumentar – E MUITO – as vendas do seu e-commerce. Aliás, pesquisas mostram que 30% de todas as vendas anuais no varejo são efetuadas entre a Black Friday e o Natal.

E por que isso acontece?

Porque os descontos limitados oferecidos durante o período de festas de fim de ano criam urgência no E-commerce.

Os clientes tiram as carteiras do bolso e buscam incansavelmente o melhor negócio que eles podem encontrar ao saber que existe uma promoção. Com esse sentimento de urgência, esses compradores têm a impressão de que não podem esperar para efetuar a compra. Se eles esperarem, vão perder a oportunidade de preços mais baixos.

Agora, vamos pensar dessa maneira: E se você pudesse criar o mesmo senso de urgência, porém, durante todo o ano e, assim, conseguir fazer as compras em sua loja online decolarem?

Se você achou uma boa ideia, nós temos uma boa notícia: É possível criar essa urgência em seu E-commerce, independentemente da época do ano.

A seguir, vamos apresentar algumas maneiras de fazer isso acontecer:

Como estimular as vendas de e-commerce usando o poder da urgência?

Chame atenção para os prazos

No marketing online, os prazos geram o FOMO, que em inglês significa “medo de perder”. Quando você divulga que uma oferta estará disponível apenas durante um tempo limitado, isso faz com que os clientes queiram efetuar a compra no ato para não perder a oportunidade de melhor negócio.

Repare neste exemplo de ConversionXL:

 

Perceba que na Variação B existe uma notificação de “tempo restante para download” com um cronômetro em evidência.

O exemplo também divulga o número de pacotes comprados e um status para criar ainda mais o senso de urgência no E-commerce e fazer com que os usuários tenham a impressão de estarem perdendo algo caso não efetuarem a compra urgentemente.

Consegue adivinhar o resultado desse exemplo?

Se você acha que a Variação B promoveu muito mais conversões, você acertou. Para sermos mais específicos, a taxa de conversão da Variação B foi quase três vezes mais alta do que a da Variação A.

Outra empresa que é conhecida por usar uma aproximação parecida na estratégia de venda é a Groupon.

Veja este produto:

 

Viu o relógio com o prazo para a promoção no canto direito?

A Groupon colocou um cronômetro visível ali para que os compradores percebam que eles podem perder uma oportunidade única se não agirem com rapidez.

O relógio está sendo atualizado segundo por segundo e isso gera a sensação de que é preciso clicar em “Comprar!” logo.

Aprenda com esses exemplos e certifique-se de que você esteja divulgando o prazo das promoções corretamente em sua loja online. Se aplicada corretamente, essa estratégia pode criar tanta urgência que os seus possíveis clientes não vão resistir ao botão de comprar.

Utilize palavras que criem urgência no e-commerce

Para criar urgência no e-commerce, você precisa usar frases como:

Somente em tempo limitado!
Oferta termina em DD/MM/AA!
Tempo restante para aproveitar a promoção: XX minutos e XX segundos
Aí você pode se perguntar: “mas e se eu não quiser divulgar o deadline? Ainda é possível criar essa urgência no meu E-commerce?”

A resposta é: sim!

Nesse caso você pode usar frases como “Compre agora!” ou “Corra e não perca!” em sua loja online ao invés de dizer apenas “Compre” ou “Coloque no carrinho”.

Aqui está o exemplo da Galleon que usa essa estratégia:

 

Você pode perceber que eles destacam a frase “Compre agora!” com uma cor chamativa. Essa é uma ótima maneira de chamar a atenção do cliente ao mesmo tempo em que se cria a urgência.

Se você desejar utilizar uma estratégia similar, é possível acrescentar frases como “Compra antes que acabe!”, por exemplo.

Apenas essas simples mudanças de linguagem podem motivar os seus futuros clientes a efetuarem as compras em seu e-commerce.

E isso nos leva ao próximo tópico:

Avise quando seu produto estiver acabando

Quando um cliente entra em uma loja física, é possível ver quando os produtos estão escassos nas prateleiras.

Mas e em uma loja online?

Em uma loja online isso não é possível a não ser que você avise-os.

Aqui está como a Nordstrom Rack faz no site deles:

 

Eles adicionam uma barra na cor roxa que destaca quantas peças restam no estoque, criando a urgência de compra no E-commerce.

E essa informação é apenas um “preview”.  Quando o cliente clica no produto para ver mais informações, é possível também saber quais são os tamanhos que ainda podem ser comprados.

Neste caso, o único vestido que ainda pode ser comprado é do tamanho P.

Como você se sentiria se vestisse esse tamanho e soubesse que esse vestido seria perfeito para um evento que você tem agendado?

Você ia querer levá-lo para casa antes que alguém tivesse a chance. Tudo isso porque a Nordstrom Rack criou a urgência ao te avisar que há apenas uma peça no seu tamanho disponível.

Seus clientes online vão se sentir da mesma maneira se você divulgar que os seus produtos estão se esgotando. Eles vão querer agir com rapidez para não perder nenhum produto que deseja.

Agora, é possível que você esteja se perguntando o seguinte:

Como estimular as vendas dentro da loja com urgência?

Comece conectando o inventário da sua loja física com a sua loja online. Depois de ter feito isso, é possível atualizar o website para que seus clientes saibam do esgotamento das peças em seu estabelecimento físico.

Para isso, você pode usar ferramentas como a FOMO, por exemplo, que mostra as vendas no seu site em tempo real. Para apresentar esse dado, um bom exemplo de texto seria:

“Acabamos de esgotar a peça ____ na loja da Rua ____!”

Coloque o nome do produto e a localidade da loja e como em um passe de mágica você terá criado a urgência no E-commerce que você precisava para fazer com que os compradores online queiram comprar a mesma peça que ainda está disponível virtualmente.

E mais uma coisa:

Não tenha medo de testar diferentes estratégias até perceber qual é a melhor maneira de chamar a atenção do seu público-alvo.

É claro que algumas táticas (como inserir cronômetros no site) tiveram o sucesso comprovado algumas vezes. Mas não pare de testar diferentes estratégias só porque uma deu certo. Continue testando para que você veja as conversões sendo melhoradas ao mesmo tempo em que você aprende como fazer isso.

Um exemplo é testar o localização do cronômetro em diferentes pontos da sua página.

Você também pode testar cores diferentes para esses cronômetros para saber se existe uma cor específica que gera mais conversões.

Enfim, experimente com calma. Uma simples mudança pode afetar positivamente e intensamente as vendas em seu e-commerce.

Fonte: www.ecommercebrasil.com.br - Por Ryan Kulp

Read More

EX-CORTADORA DE CANA FATURA R$ 2,4 MILHÕES COM E-COMMERCE DE JOIAS

A empreendedora mineira Sabrina Nunes, 31 anos, é o nome por trás da Francisca Joias, um e-commerce que faturou R$ 2,4 milhões em 2016 e que conta com 620 revendedoras espalhadas pelo Brasil. Antes de chegar aonde chegou, Sabrina começou com muito pouco. Chegou, inclusive, a trabalhar como cortadora de cana.

Nascida em Itinga, no norte de Minas Gerais, Sabrina se considera uma empreendedora desde cedo. Começou vendendo picolés na zona rural da cidade. “Nessas regiões mais afastadas, não havia energia elétrica. Por isso, sorvetes eram uma grande atração. Vendi muito nas missas”, diz.

Apesar da sacada empreendedora dos picolés, Sabrina afirma que Itinga não oferecia muitas oportunidades de carreira. Surgiu a oportunidade de trabalhar em um canavial de Maracaju (MS) – seu padrasto agenciava a mudança de trabalhadores de Itinga para a cidade.

A meta de Sabrina não era trabalhar nessa área. Ela começou a estudar serviço social., mas não conseguia arranjar emprego. Decidiu ir cortar cana.

A experiência durou cerca de um mês. Dos canaviais, conseguiu um emprego de secretária na mesma empresa. “O tempo que fiquei cortando cana foi difícil. Mas era o que eu tinha para fazer. Lá mesmo eu fiz contatos para conseguir me recolocar. Eu só agarrei a oportunidade, sem coitadismo.”

Há sete anos, já formada e trabalhando como secretária, outra mudança: Sabrina conseguiu uma bolsa para estudar engenharia no Rio de Janeiro. Resolveu sair do Mato Grosso do Sul.

No decorrer do curso, arranjou trabalho em um escritório. Até que, em janeiro de 2012, resolveu fazer alguma atividade para complementar a renda. “Comprei R$ 50 em matéria-prima, fiz bijuterias e comecei a vender meus produtos pela internet”, diz.

Nascia, ali, a Francisca Joias. Sabrina batizou a empresa em homenagem à sua avó. “É um nome que representa força, perseverança e afeto. Além disso, mostra de onde eu vim”, diz Sabrina.

A princípio, ela usava a plataforma Elo7, especializada em artesanato, joias e produtos criativos em geral. Tudo aquilo que ganhava era reinvestido. Assim, foi conseguindo vender mais e mais peças. Em agosto de 2012, decidiu criar uma loja virtual própria para a Francisca Joias.

Em 2016, com a crise econômica ganhando forças, Sabrina decidiu mudar um pouco o modelo de negócio da Francisca Joias: começou a trabalhar com revendedoras.

Atualmente, a empresa tem 620 pessoas revendendo seus produtos. Elas compram os itens que quiserem com 40% de desconto, recebem o pedido em casa e revendem as joias pelo mesmo preço do e-commerce. “Com o desconto, eu perco margem de lucro, mas aumento meu número de vendas. Além disso, dou chance a quem precisa trabalhar”, afirma Sabrina.

A Francisca Joias vende brincos, colares, pulseiras e anéis. O site também trabalha com óculos escuros. No total, o e-commerce tem cerca de 3 mil itens.

De acordo com Sabrina, o principal diferencial da marca é o atendimento. “Trabalhamos de forma humanizada. Acreditamos que as vendas são feitas de pessoas para pessoas, mesmo que a transação ocorra pela internet. Fazemos um atendimento mais leve e que traz confiança.”

Em 2016, a Francisca Joias faturou R$ 2,4 milhões. Para este ano, a meta é chegar a R$ 3 milhões.

Além do trabalho com a marca, a mineira tem um site próprio, em que dá dicas de empreendedorismo para mulheres. “Sei que posso ajudar muita gente a empreender, empoderar-se e acreditar que é possível mudar de vida”, diz Sabrina.

Fonte: http://revistapegn.globo.com

Read More

10 tendências de e-commerce para 2017

O comércio online encontra-se em franco crescimento. São cada vez mais as pessoas que optam por comprar pela Internet, ao invés de perderem tempo em deslocações, percorrer os corredores das lojas e esperar em filas para pagar. Tudo se vende online e nada fica por comprar, mas é necessário que as lojas se adaptem às novas tendências para que não fiquem para traz nesta corrida.

Com base num estudo levado a cabo pela Absolutnet, deixamos-lhe aqui 10 tendências de e-commerce para 2017. 
 

1 – Black Friday e Cyber Monday já eram!
A “Sexta-feira Negra” de promoções que tem a sua origem nos Estados Unidos, está completamente dissipada pelo mundo online. Mas de sexta-feira, este dia já se alastrou para a semana que a antecede e o próprio fim-de-semana seguinte, sendo colmatado com a Cyber Monday. As promoções e descontos em muitas lojas e muitos produtos são de facto aliciantes, mas todos os anos deixamos o alerta para possíveis fraudes que possam surgir e para a importância de comparar preços e de estar atento à sua evolução.

A questão é que acaba-se o mês de Novembro com promoções que, de ano para ano, abrangem cada vez mais dias. Assim, Novembro passará, todo ele, a ser o mês das promoções que antecedem o Natal. Cyber November está a chegar! 

2 – Customização em tempo real
Os consumidores são todos diferentes. Apesar de, por norma, seguirem as tendências, todos têm as suas preferências e são cada vez mais exigentes. Este ano, as lojas de vendas online terão que ser capazes de se adaptar a cada diferente consumidor, em tempo real. 

3 – A melhor descrição de um produto
Dizer apenas que tem determinado produto para venda já não é suficiente, o consumidor precisa de saber tudo sobre ele. Se determinada loja não coloca uma imagem, tem uma boa descrição do produto… provavelmente, o consumidor vai a outra loja procurar essas informações acabando por comprar nessa outra. 

4 – Inteligência Artificial
Este será o ano dos Chatbots, ou seja, os serviços de conversação que estarão à disposição dos clientes, “conversando” com eles e dando-lhes indicações de forma rápida e totalmente automatizada. São já imensas as marcas que o fazem através de serviços próprios ou de terceiros, como o Messenger do Facebook ou próprio Twitter. 

5 – O fim das carteiras
Os pagamentos online, os pagamentos com smartphone, smartwatch ou qualquer outro wearable, serão cada vez mais utilizados, o consumidor cada vez menos andará com dinheiro ou o cartão de crédito.

6 – Vendas nas redes sociais
As redes sociais têm um impacto brutal. São raros os utilizadores assíduos da Internet que não têm conta numa rede social e que estão dispostos a descobrir e a comprar produtos através delas. 

7 – Previsão daquilo que serão as compras
Através da análise ao perfil dos clientes, das suas pesquisas na loja, será fácil para os vendedores perceberem o que é que o cliente pretende comprar. 

8 – Entregas personalizadas
É a chamada “Uberização das entregas”. Os consumidores vão ter acesso aos produtos que adquiriram online no próprio dia da compra, nas suas casas, locais de trabalho ou em algum ponto de entrega, os chamados drop-off points. 

9 – Comércio Unificado
A loja física que não tenha loja online começa hoje a ficar para traz na corrida das vendas. Este ano, teremos que ver ainda mais lojas a adoptar este sistema de vendas em dois formatos, numa infra-estrutura centralizada. 

10 – “Desintermediação”
O papel dos retalhistas pode começar a ser colocado em causa. Os clientes que andam pela Internet preferem, cada vez, ter um contato direto com as marcas do que com os intermediários.

Fonte: Absolunet

Read More

E-commerce deve crescer 12% em 2017 e já é alternativa para o desemprego

De acordo com especialistas, o comércio eletrônico vive um bom momento no Brasil. Só em 2016 foram criados mais de 700 mil novos empregos na área
Planejamento e dedicação são itens essenciais para bons resultados no e-commerce

Contrariando a crise econômica, o comércio eletrônico cresceu 11% em 2016 e gerou 718 mil novos empregos no ano passado, segundo a ABComm, Associação Brasileira de Comércio Eletrônico. Atualmente, de acordo com o IBGE, são mais de 12 milhões de desempregados no país.

Para quem está à procura de trabalho, o comércio eletrônico já é uma ótima oportunidade porque, além do setor aquecido também para este ano - com previsão de crescimento, ainda segundo a ABComm, de 12% em relação a 2016 e faturamento de cerca de 60 bilhões de reais -, o empreendedor pode ter um negócio próprio com riscos baixos.

“Investir no comércio eletrônico está sendo uma ótima oportunidade para as pessoas que estão desempregadas ou que precisam completar a renda. Como o investimento inicial é baixo, só é preciso focar nos produtos, atendimento e entrega”, explica Adriano Caetano, especialista em comércio eletrônico e diretor da Loja Integrada (www.lojaintegrada.com.br) – plataforma para a criação de lojas virtuais mais popular do país com mais de 400 mil lojas hospedadas.

Quem estava desempregada e decidiu “arriscar” num novo negócio no mundo virtual foi a Marileide dos Santos, que ficou sem trabalho depois de sair da multinacional onde trabalhou por 18 anos. A administradora conta que foi dispensada da empresa durante um corte de funcionários e que após quase um ano sem emprego, se juntou à irmã para abrir a loja virtual Via Mana Brinquedos (www.viamanabrinquedos.com.br).

“Depois de procurar trabalho e não conseguir nada que valesse a pena, nós começamos a pesquisar meios para ganhar dinheiro. Fizemos longos estudos sobre a área e percebemos que o comércio eletrônico vive um bom momento”, conta Marileide. E mesmo com pouco recurso, as duas insistiram no negócio e abriram a loja virtual em setembro do ano passado.

A empresária conta que agora entende o motivo do sucesso do e-commerce. “Além do investimento inicial ser baixo, posso montar o meu próprio horário e cuidar da minha irmã, que está com problemas de saúde e também trabalha de casa me ajudando na loja virtual”.

Segundo o especialista, “as pessoas estão cada vez mais conectadas, confiantes e comprando pela internet. A facilidade de montar uma loja virtual e a flexibilidade que o trabalho em casa proporciona são uns dos atrativos do e-commerce. Porém, para ter sucesso nas vendas é preciso planejamento e dedicação, assim como qualquer negócio”, finaliza Adriano Caetano.

Fonte: www.segs.com.br

Read More